O Expresso Regional

Meio ambiente: Água de lastro, uma ameaça à vida

Meio ambiente: Água de lastro, uma ameaça à vida

Meio ambiente: Água de lastro, uma ameaça à vida
dezembro 10
08:23 2012

“Bioinvasão” ambiental e a morte de espécies marinhas são causadas pela operação

O lastro pode ser qualquer material usado para dar peso ou manter a estabilidade de um objeto. Os navios por exemplo, utilizam água nos tanques de lastro para manter a estabilidade e segurança, especialmente quando o navio não possui carga.

Navio descartando água de lastro.

Navio descartando água de lastro.

As espécies marinhas, em sua maioria, possuem um ciclo de vida e o maior problema com relação à água de lastro refere-se ao transporte de ovos, cistos e larvas de organismos, bactérias e pequenos invertebrados que são capturados com a água de onde os navios enchem seus tanques de lastro após serem descarregados. Estes organismos são dispensados juntamente com a água em outras regiões, quando o navio é novamente carregado.

Siri-bidu (Charybdis hellerii) - O crustáceo veio dos oceanos Índico e Pacífico e se espalhou pelo litoral do Maranhão. Ele compete com os siris nativos, que servem de alimento e de renda para pescadores locais

Siri-bidu (Charybdis hellerii) – O crustáceo veio dos oceanos Índico e Pacífico e se espalhou pelo litoral do Maranhão. Ele compete com os siris nativos, que servem de alimento e de renda para pescadores locais

A grande maioria das espécies carregadas na água de lastro não sobrevive à viajem, uma vez que o ambiente dentro dos tanques de lastro pode não ser apropriado. Mesmo para os que conseguem sobreviver e são descarregados, devido às novas condições ambientais enfrentadas, a sobrevivência é muito reduzida.

Mexilhões

Mexilhões em tanque de lastro

Com todos os fatores favoráveis, uma espécie introduzida pode estabelecer uma população no ambiente invadido e tornar-se invasora, ou seja, pode ser capaz de se adaptar  e de se reproduzir, ocupando o espaço de espécies existentes no local.

A reprodução de uma  espécie invasora trazida na água de lastro de um navio depende do ponto de descarga dessa água.

Para a colonização de uma espécie, basta que os portos onde são coletadas e descartadas a água de lastro sejam ecologicamente semelhantes.

Peixes mortos

Peixes mortos

Um exemplo de introdução por meio de água de lastro é o mexilhão zebra Dreissena polymorpha, nativo da Europa, que invadiu os Grandes Lagos nos Estados Unidos.

A Nova Zelândia sofreu grandes impactos nas populações nativas, devido a intrudução da estrela-do-mar Asterias amurensis, espécie predadora natural da China e Japão, com ela migrou a bactéria Vibrio cholerae, causadora da cólera. Outro triste exemplo foi o dinoflagelado tóxico Gymnodinium catenatum, oriundo do Japão e introduzido na Austrália, prejudicando a pesca e aqüicultura industrial.

No Brasil, a divulgação dos problemas associados à água de lastro era pouco divulgada, esporadicamente, surgiam relatos a respeito de espécies exóticas introduzidas em águas brasileiras.

Limnoperna fortunei

( Limnoperna fortunei) – originário dos rios asiáticos, em especial da China

Uma invasão pela água de lastro muito conhecida é a do molusco bivalve de água doce e salobra, Limnoperna fortunei, (foto ao lado), cuja origem são os rios asiáticos, em especial da China. Esse mexilhão provoca entupimento das tubulações de abastecimento de água e de turbinas em hidrelétricas.  São enormes os prejuízos causados por essa introdução, além de afetarem a pesca prejudicando o sistema de refrigeração e os motores dos barcos pequenos.

Artigos relacionados

0 Comments

Sem comentários

Nenhum comentário até agora. Quer começar?

Comentar

Comentar

Your email address will not be published.
Required fields are marked *