O Expresso Regional

Peruíbe: Profissionalização do Turismo pode gerar Desenvolvimento

Peruíbe: Profissionalização do Turismo pode gerar Desenvolvimento

maio 25
09:48 2013

Turismo

ER

* Por Geraldo Ivan Oliveira da Cruz         

Quando se fala ou pensa no turismo como atividade socioeconômica, com poder de gerar transformações pró-ativas é comum enxergar o óbvio e junto com o que se vê aparece uma série de dificuldades cultuadas pelos leigos e agentes públicos despreparados, que não conseguem desvencilhar das amarras da burocracia e sentem se obstruídos nas ações de  promover as discussões técnicas em torno das reais possibilidades de desenvolvimento do segmento.

Peruíbe possui potencial turístico exuberante pela sua biodiversidade, caracterizada: na flora e fauna da Reserva Ecológica Jureia Itatins, nas 39 praias que recortam o limite com o Atlântico, na biologia marinha, nas belas cachoeiras, rios, sambaquis e lama negra que integram o conjunto natural que potencializa de forma diferenciada esse paraíso do litoral sul paulista.

Na sua estrutura construída Peruíbe possui hotéis, pousadas, agentes receptivos, restaurantes, quiosques a beira mar, urbanização da orla e dos principais bairros, facilidades de acesso por rodovias, serviços de segurança e mais uma série de facilidades essenciais para a prática comercial do turismo de forma competitiva.

Os Profissionais do turismo sabem que todo esse potencial observado e trabalhado isoladamente não se configura como atributos para se colher o volume de benefícios que a integração desses componentes naturais e construídos possa proporcionar. O que falta é a capacidade de se trabalhar a integração orquestrada dos principais potenciais, para gerar produtos atraentes a serem trabalhados na movimentação da chamada baixa temporada.

Não tenho dúvidas que a melhor alternativa para atenuar a sazonalidade que afeta o trade turístico de Peruíbe é o chamado “Turismo Estudantil”. Pense comigo! Há uma enorme quantidade de escolas de ensino médio e de cursos superiores na Baixada Santista e na Grande São Paulo num raio máximo de pouco mais de 200 km. Ao se promover as visitações para “Estudo do Meio” no período letivo, introduzindo das grades curriculares de acordo com os cursos as visitas aos ecossistemas terrestres e marinhos de Peruíbe, promovendo a permanência em dias úteis nos hotéis e pousadas,  com estudantes conduzidos por guias locais, incentivando o consumo de produtos e serviços nos restaurantes, centros de vendas de artesanatos, no comércio local e divulgando essas atividades na mídia televisiva, impressa e sites. Estaremos diante de oportunidades com alto potencial de projetar Peruíbe como maior laboratório a céu aberto do país para atender ao turismo estudantil, promovendo atividades práticas e lúdicas entre estudantes, acadêmicos e professores.

Dá pra fazer? Dá! É preciso querer e encontrar profissionais especialistas para elaborar e implantar o projeto! Depois é monitorar, aprimorar e colher os resultados positivos!

 

* Turismólogo e Mestre em Administração e Educação Ambiental

E-mail: ivanunopar.dno@hotmail.com

 

Artigos relacionados

0 Comments

Sem comentários

Nenhum comentário até agora. Quer começar?

Comentar

Comentar

Your email address will not be published.
Required fields are marked *